Passar para o Conteúdo Principal

Sever do Vouga assinalou o Dia da Floresta/Árvore

Dsc 1004 1 1024 2500
23 Março 2018

Despertar a consciência ambiental nos mais jovens e provar que todos podem contribuir quando o assunto é a defesa da floresta. Foi com este objetivo que a Câmara Municipal de Sever do Vouga convidou uma turma do 8.º ano do Agrupamento de Escolas local para uma ação de sensibilização especial que assinalou o Dia da Floresta/Árvore, a 21 de março.

 

Durante a manhã, na Ecopista do Vouga, junto à Ponte do Poço de Santiago, ex-libris concelhio, os alunos tiveram a oportunidade de aprender fazendo. Com recurso ao método de controlo por “descasque” – uma alternativa mais ecológica e natural – e de luvas calçadas, fizeram um verdadeiro ataque às Acácias Dealbatas, mais conhecidas por “mimosas”.

 

A técnica foi ensinada por Jorge Morais, da direção do Núcleo de Aveiro da Quercus que colaborou com a autarquia nesta iniciativa, coordenada pelo Serviço do Ambiente do Município, através da engenheira do Ambiente, Ana Silva. Através de uma incisão em anel, à volta do tronco, numa altura confortável para quem realiza a ação, retira-se a casca ao redor de toda a árvore até à superfície do solo, “descascando-a” de preferência até à raiz. Com este método, o fluxo da seiva é interrompido e a árvore seca. A melhor época para a realização do método, que requer temperaturas amenas e alguma humidade, é entre a Primavera/início do Verão e o Outono/início do Inverno.

 

Aos alunos, que ao longo do ano letivo aprendem sobre o Ecossistema e a sua proteção, foi explicada a necessidade de combater as acácias, com vista a valorizar o habitat ribeirinho junto ao rio Vouga, assim como a sua envolvente. Apesar da beleza que conferem à paisagem, na altura da floração, a verdade é que são espécies invasoras que, de forma oportunista, ameaçam a vida autóctone.

 

“Com esta ação pretende-se despertar a consciência ambiental nos jovens que podem espalhar a mensagem de que todos temos um papel ativo na preservação do Ambiente”, explica Ana Silva, acrescentando que “a iniciativa é também uma forma de responsabilizar a comunidade no que diz respeito à prevenção”.