Passar para o Conteúdo Principal

Projeto piloto de formação profissional arranca em Sever do Vouga

Forma  o profissional erasmus  1 1024 2500
09 Fevereiro 2018

Projeto piloto de formação profissional arranca em Sever do Vouga

Colmatar a distância entre a formação profissional e as necessidades reais das empresas. É o que propõe o projeto piloto “Do namoro ao casamento – uma prática de formação em contexto de trabalho com sucesso!”. Durante três anos, Câmara Municipal de Sever do Vouga, Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro (AEVA), através da Escola Profissional de Aveiro (EPA), e a empresa A. Silva Matos Metalomecânica, apoiadas pelo Instituto Politécnico do Porto, vão unir esforços para criar uma nova metodologia de ensino e aprendizagem.

O projeto, que surge no âmbito do Programa Erasmus+, na vertente das Parcerias Estratégicas para o Ensino e Formação Profissional, procura contribuir para solucionar uma dificuldade antiga das indústrias nas áreas da Metalurgia, Mecânica, Mecatrónica e Manutenção Industrial que é encontrar mão-de-obra especializada. Com um financiamento de 300 mil euros por fundos europeus e parceiros internacionais em Espanha e Itália, a Câmara Municipal de Sever do Vouga acredita na mais-valia deste trabalho em conjunto. “Abraçamos este desafio porque entendemos que, no âmbito das nossas competências, podemos contribuir para o aumento da produtividade e competitividade do tecido empresarial e oferecer oportunidades aos jovens para se fixarem no concelho, através de uma maior oferta de trabalho”, explica a vereadora Elisabete Henriques.

O projeto já arrancou e a primeira reunião de trabalho decorreu nos dias 6 e 7 de fevereiro. “Vamos, em conjunto, desenhar um perfil de competências técnicas, profissionais, científicas e socioculturais, capaz e com sentido, que responda positivamente às necessidades da região, do país e da europa, promovendo o casamento dos envolvidos”, afirma Jorge Castro, diretor da Associação para a Educação e Valorização da Região de Aveiro (AEVA). Em breve, a A. Silva Matos Metalomecânica irá receber os primeiros alunos. O objetivo, como explica Jorge Castro, é que “a capacidade instalada na empresa seja vertida para a formação dos jovens, através dos seus «mestres»”, que por sua vez irão “preparar os aprendizes numa determinada cultura de trabalho e de pertença à empresa”. O projeto prevê a capacitação de todos o envolvidos (alunos, professores, formadores e tutores profissionais).

O passo seguinte passará por validar os resultados de aprendizagem e os currículos desenvolvidos numa plataforma digital, facilitando assim a transparência e a certificação da formação realizada. O Instituto Politécnico do Porto terá aqui um importante papel no desenvolvimento da plataforma. Por sua vez, caberá a Câmara Municipal de Sever do Vouga dialogar com o Ministério da Educação, dando contributos para as propostas do Catálogo Nacional de Qualificações, através dos resultados transmitidos, com o objetivo de que os novos currículos sejam adotados a nível nacional.

Para Cláudia Pinheiro, presidente da administração da A. Silva Matos Metalomecânica, o défice de profissionais qualificados no país é uma dificuldade que urge superar. “A economia portuguesa tem uma forte ligação à Metalomecânica, mas Portugal não tem capacidade de resposta, o que pode vir a ser dramático. Com este projeto, pretendemos delinear uma estratégia de futuro que pode resolver esta questão”, afirmou.